“A arte marcial te melhora como ser humano”, afirma Minotauro

Arte marcial Minotauro

Um lutador sereno, equilibrado. Agressividade? Só no ringue. Na vida real, Antônio Rodrigo Nogueira, o Minotauro, busca a tranquilidade das artes marciais e sonha em levar os benefícios dessas artes para as escolas públicas do país.

Em entrevista ao programa Impressões, que vai ao ar nesta segunda-feira (9), às 21h, na TV Brasil, o atleta conta como o esporte o ajudou a se tornar uma pessoa mais focada.

Na conversa com a jornalista Katiuscia Neri, Minotauro revela que o desejo de lutar veio aos quatro anos, assistindo a um torneio de judô do irmão mais velho. O irmão perdeu, mas ele afirmou, categórico: “pai, me coloca pra lutar que eu vou ser campeão”. E assim foi.

Ao longo dos 16 anos de carreira, foram 46 lutas de MMA e 34 vitórias. Colecionador de cinturões do UFC e Pride, Minotauro é hoje embaixador do UFC no Brasil e ajuda a encontrar novos talentos pelo país. Além disso, é dono de uma rede de academias e desenvolve projetos sociais para transformar crianças em atletas.

“A arte marcial não é para o ataque e sim para você aprender a lidar com as outras pessoas. Ela te melhora como ser humano”, afirma o ex-atleta de 108 quilos.

Minotauro vê na arte marcial um potencial para a educação das próximas gerações. “A gente está com um programa que é um manual de artes marciais para escolas públicas. A gente vai tentar implantar isso no Brasil”, diz otimista.

“Tudo o que eu aprendi eu quero passar para as crianças brasileiras, os benefícios das artes marciais”, completa.

Minotauro acredita que o esporte de combate está no DNA do homem, existindo há mais de 5 mil anos. A diferença é que agora está mais organizado, regido por uma confederação, com regras. Para ele, a agressividade, por si, já não é mais aceita pela sociedade.

“No mundo de hoje já não cabe bullying, né? O garoto que é mais agressivo já não cabe na sociedade”, finaliza.

O embaixador do UFC no Brasil se orgulha do lugar que o esporte alcançou no país. “O Brasil estava numa entressafra entre a geração Anderson Silva, Vitor Belfort e a nossa geração. Mas a geração de novatos hoje em dia é uma realidade”.

Dos 500 atletas da organização mundial, 105 são brasileiros e muitos figuram nas 15 melhores posições do ranking mundial. “Hoje, o MMA é o segundo esporte mais assistido do Brasil. Só perde para o futebol, que é nossa religião”, fala, aos risos.

“Nos dias de luta, de disputa de cinturão, com atletas mais populares, eu vejo os bares lotados aos sábados para assistir”, complementa, feliz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *